19 de abr de 2012

Sarkozy tira relógio ao cumprimentar eleitores

Nicolas Sarkozy achou por bem guardar o relógio durante um corpo a corpo com eleitores no último domingo. Afinal, a França que ele preside está com o desemprego na casa dos 10% — na dos 20% entre os jovens de 18 a 24 anos — e vem colecionando medidas de austeridade. E o Patek Philippe que ele carregava no pulso custou 55 mil euros (R$ 136 mil), o equivalente a quase 40 salários mínimos do país. Além disso, foi um presente da mulher, a cantora e compositora Carla Bruni.
A medida de precaução foi tomada durante um evento de campanha na Praça da Concórdia, em Paris, no último domingo. O presidente havia começado cumprimentar os participantes quando, aparentemente, lembrou-se da pequena fortuna que carregava no braço e, em segundos, guardou-a no bolso do paletó.
A divulgação das imagens não deve contribuir para melhorar a abalada imagem de Sarkozy, que enfrenta a pior aprovação para um presidente em fim de mandato na história da República francesa. Cerca de 60% de seus conterrâneos não querem saber dele. (Terra)

Romário:a origem do nome


 A matéria de capa da revista Rolling Stone deste mês traz matéria de capa com o ex-jogador de futebol e deputado federal, Romário. O início da matéria, por sinal muito criativa, revela de onde os pais dele buscaram o seu nome. O texto conta que o pai dele, Edvair, gostava de ouvir o programa do cearense César de Alencar, o mais ouvido do Brasil. No horário das 15h, a grande atração era intelectual: o fenômeno “Romário, o Homem Dicionário”, célebre pelo vasto vocabulário. A matéria descreve o personagem que mantinha o mistério em torno de si ornava a cabeça com turbantes indianos e se fantasiava com vestes exóticas. A semana inteira, os ouvintes estudavam palavras difíceis para desafiá-lo. Nunca conseguiram. Ele acertava todas.
Só um detalhe: fiquei curioso em ver fotografia do Romário, não o craque, mas de seu inspirador. E encontrei no blog historiasdofrazao.com.br.
Vejam:
O Romário que inspirou o pai do craque
A Rolling Stone não fez isso.

Se dirigir, não use o celular


A seguradora Mapfre lança amanhã campanha de alerta sobre o risco de combinar direção de automóvel e envio de mensagens pelo celular. Deu na coluna Negócios & cia, da coleguinha Flávia Oliveira.

De fato a combinação é explosiva. Estudo do órgão de segurança no trânsito dos EUA estima que o uso de celular ao volante aumenta em 23 vezes o risco de acidentes. Lá é constante no noticiário casos de acidentes provocados pelo envio de mesagens (SMS) ou e-mails por celular. Os americanos chamam isso de "texting".

O filme, da QG Propaganda, simula o choque de um aparelho com o rosto da motorista. Para reproduzir o efeito, as cenas foram gravadas com câmera que roda 2.500 quadros (e não os tradicionais 24 quadros do cinema) por segundo.

18 de abr de 2012

Jogo inusitado

O ataque das abelhas aconteceu na vitória por 2 a 0 do Fluminense de Feira de Santana sobre o Juazeirense. Assim que notaram o enxame, os jogadores deitaram no gramado e ficaram alguns minutos esticados no campo. Não houve nenhum registro de algo grave com jogadores ou torcedores em decorrência do ataque das abelhas.

Vencedor do prêmio Pulitzer disse que foto foi a mais difícil de fazer


Hossaini venceu na categoria de melhor imagem de notícia urgente ao registrar o choro de Taraneh Akbari
 "Foi talvez a foto mais difícil que já fiz". A afirmação é do fotógrafo afegão Massoud Hossaini, autor da imagem vencedora do prêmio Pulitzer, em entrevista à BBC. O fotógrafo da agência de notícias francesa France Presse (AFP) venceu a competição na categoria de melhor imagem de notícia urgente ao registrar o choro de Taraneh Akbari, depois de um ataque suicida em um templo lotado em Cabul, capital do Afeganistão.
Apesar do reconhecimento de seu trabalho, Hossaini disse à BBC que tenta não olhar novamente as fotos que fez em dia 6 de dezembro durante as cerimônias do feriado religioso de Ashura, em que registrou a reação da menina. "Desde então, tenho feito de tudo para não voltar (a olhar) aquelas fotos que tirei naquele dia. Todas as vezes que penso naquela garota assustada, vestida de verde, chamada Taraneh, sou dominado pelo medo de novo", afirmou o fotógrafo.
Taraneh atualmente tem 11 anos e contou que "quando consegui ficar de pé, vi que todos estavam em volta, no chão, muito ensanguentados. Eu fiquei muito, muito assustada". "Sei que, quem quer que veja esta foto, vai pensar no fotógrafo, mas espero que eles não se esqueçam da dor do povo afegão", disse Hossaini. O fotógrafo conta que no dia do evento, "estava tão perto da explosão que fiquei ferido. Meu braço esquerdo ficou ferido."
"Toda a minha concentração foi para tentar capturar o momento. Então eu vi um monte de roupas coloridas e uma menininha, que eu tinha visto antes da explosão. Ela estava gritando em meio ao medo e ao caos. Ela estava cercada de corpos ensanguentados da família dela e amigos", disse. Mais de 70 pessoas foram mortas na explosão, que coincidiu com o festival muçulmano xiita Ashura e foi o mais grave ataque suicida em Cabul em 2011.
Insurgentes
O comitê do Pulitzer disse que a imagem feita por Hossaini é "dolorosa". O Pulitzer começou a ser distribuído em 1917 e premia os melhores trabalhos de jornalismo e artes. A família de Hossaini deixou o Afeganistão ainda na década de 1980, durante a invasão soviética, e foi viver no Irã. O fotógrafo voltou ao seu país apenas em 2002, depois da derrubada do Talibã, onde começou a trabalhar em um centro cultural financiado pelo fotógrafo da National Geographic Reza Deghati.

Onça aparece caminhando no terreno da futura sede do STM

As Câmeras de vigilância do Superior Tribunal de Justiça (STJ) flagraram, nesta terça (17), uma onça caminhando próximo ao estacionamento norte do órgão. Trata-se do terreno onde será construída a futura sede do Superior Tribunal Militar (STM). Segundo o sargento Evandro Pereira, do Batalhão de Polícia Militar Ambiental, o bicho é uma onça parda adulta – mais conhecida como “suçuarana” – e tem aproximadamente 40 kg. A chuva atrapalhou o resgate do animal, que será continuado hoje (18) com o auxílio de um helicóptero. “Como é uma área sem alimento para ela, vamos colocar arapucas para tentar resgatá-la”, disse Pereira. (Cláudio Humberto)

17 de abr de 2012

Marighella: verdade sobre foto

Quarenta e três anos depois do assassinato do político e guerrilheiro Carlos Marighella, o fotógrafo Sérgio Jorge revelou à revista Imprensa, deste mês,  como foi ele fez a foto do fuzilamento de Marighella, na Alameda Casa Branca, pelo delegado Sérgio Fleury. O fotógrafo revelou à Imprensa o esquema da ditadura para encobrir a verdade sobre o assassinato do líder comunista.
O seu depoimento:
"Eu e o Mituo (Shiguihara)  chegamos lá uns 30 minutos depois do acontecido . Quando nos aproximamos, o delegado Sérgio Fleury perguntou o que estávamos fazendo ali e mandou que encostássemos no muro e colocássemos as máquinas no chão e não fotografássemos até que ele autorizasse".
"E como estava o Marighella?", perguntou o repórter.
"A porta do fusquinha estava aberta e ele morto ao volante. Não havia quase sangue, tinha apenas um machucado  no queixo e sangue em uma das mãos".
"E o que os policiais fizeram?"
"Três pessoas tiraram o corpo e puseram deitado na calçada. Depois de revistá-lo, começaram a colocá-lo no banco de trás naquela posição que todo conhece das fotos".
"Por que você nunca contou essa história antes"?
"Quando saiu a Comissão da Verdade, eu pensei: 'agora posso contar a verdade, porque à época não dava. Eu tinha medo de que alguma coisa pudesse me acontecer e a gente sabe que acontecia".
  

CINE SINGULAR - O curta do dia

A Perna "Cabiluda"
Sinopse: Nos anos 70, em Recife, um personagem habitou o imaginário popular por um bom tempo: uma perna "cabiluda" que atacava as pessoas, destruía lares, estuprava mulheres, deixando a cidade de Recife em pânico.
Gênero: Documentário
Sub-Gênero: Suspense
Diretores: Beto Normal, Gil Vicente, João Júnior e Marcelo Gomes
Elenco: Chico Science, Fred 04 e Regina Casé
 Local de Produção: PE

30 anos sem Elis Regina

homenagem aos 30 anos de morte de Elis Regina, o Centro Cultural São Paulo está promovendo  a exposição Viva Elisl. A mostra conta com mais de 200 fotos de Elis Regina, além de ingressos de shows, entrevistas e posters, vídeos de apresentações ao vivo da cantora, e réplicas de figurinos.
O projeto correrá todo o país, e recebe também shows de Maria Rita, filha de Elis, cantando as músicas da mãe. Viva Elis apresenta ainda um documentário com depoimentos de artistas que trabalharam com ela, e uma sala onde o visitante pode ouvir a voz da cantora sem acompanhamento instrumental.
Vejam artistas comentando a grandiosa obra de Elis:

15 de abr de 2012

Clube do Bode aprecia nova edição da Singular

Audifax:'Publicação firme e enxuta".
Um dia depois do aniversário dos 286 anos de Fortaleza, o leitor da Singular é presenteado com o lançamento da mais nova edição da revista. Para divulgar a produção jornalística de número 32, o editor Eliézer Rodrigues, juntamente com sua equipe, promoveu um encontro especial para socializar o trabalho no reduto mais conhecido dos intelectuais da Capital cearense, o Clube do Bode, mais precisamente no Flórida Bar, onde eles se reúnem todos os sábados a tarde. Na ocasião, estiveram presentes acadêmicos, jornalistas, políticos, empresários, professores, artistas, literatos, estudantes entre outros profissionais.

Pedro Henrique: "Revista plural"
Sérgio Braga: "Contribução para a cultura".
“Ela é realmente singular, no sentido de ser uma revista única”, disse o presidente da Academia Cearense de Letras (ACL) Pedro Henrique Saraiva Leão. Para ele, a revista também não deixa de ser plural, porque explora bem assuntos que abrange todo o Ceará, nos seus mais diversos aspectos culturais. Na opinião do acadêmico, a quantidade de exemplares que a biblioteca da ACL recebeu enriquece de uma forma toda especial o seu acervo. “Parabenizo ao Eliézer, um grande herói da imprensa cearense”, complementou.
Lúcio Alcântara: "A Singular é um gesto de resistência cultural".
O ex-governador do Ceará Lúcio Alcântara se fez presente e também apreciou as reportagens exclusivas publicadas pela Singular, como a que conta a história da idosa Elizabeth Teixeira, viúva de líder rural sindical que ainda não perdeu a garra de lutar pela reforma agrária. Para Lúcio, são poucas as revistas que conseguem chegar ao número 32. “A Singular é um gesto de resistência cultural. Tal continuidade se deve a persistência do seu editor, que pela experiência e responsabilidade, tem a condição de apresentar ao público sempre um produto de qualidade”, afirmou ele.
O artista plástico Audifax Rios, um dos frequentadores assíduos nos encontros da turma do Clube do Bode, confere as publicações desde o início. Em sua opinião, a linha editorial, a estrutura gráfica e a própria diversidade dos assuntos abordados é o diferencial do periódico frente a outros na cidade. “Ela continua firme e enxuta. Não tem necessidade de mudar. Posso dizer que a Singular continua no ponto ideal, porque já nasceu amadurecida. A prioridade em publicar matérias que a grande imprensa não explora regasta, de uma forma ou de outra, a riqueza cultural que nós temos”, disse.

“Nesta edição, a Singular se destaca porque enfoca, além de temas culturais, assuntos diversos. O olhar para a memória, a cultura popular, o comportamento ou hábitos que temos hoje na sociedade trouxe um significado único para a produção, que merece ser apreciada por qualquer leitor. É uma contribuição fabulosa para a cultura do Ceará”, reconheceu o empresário Sérgio Braga. Apesar de saber das dificuldades enfrentadas pela revista para manter a periodicidade proposta, ele afirmou que o trabalho do editor é digno de todo o reconhecimento, por esta e por todas as edições anteriores. (Jair Melo)
Capa da edição lançada ontem