11 de set de 2010

Passando o tempo com adultos sádicos, fazendo crianças experimentarem limão, pela primeira vez.


Serra explica para empregada
o que aconteceu na Receita



Águas de Março viraram águas do degelo

Les Aaux de Mars, em francês, é um dos sucessos do novo CD da jazzista norte-americana Stacey Kent, que estará se apresentando no Brasil, brevemente. Na letra Águas de Março, de Tom Jobim – música inspirada num ribeirão localizado no sítio do compositor, no município fluminense de Poço Fundo – viraram, na versão de Georges Moustaki, as águas do degelo no inverno europeu, o período em que a neve derrete, marcando o início da primavera.

E essa mudança no original da letra, sempre foi assim com grande parte de músicas brasileiras que têm versões para outros idiomas. Algumas versões até melhoraram o sentido do original, como a tradução para o inglês de Aquarela do Brasil, obra-prima de Ary Barroso, por não trazer versos estrambóticos como “Ah, esse coqueiro que dá coco”.

10 de set de 2010

Seu Chagas e a lenda do rei Salomão


Romã derruba Viagra

Eu sabia que a romã tem mil e uma utilidades medicinais (controla a pressão arterial, reduz o colesterol ruim, previne câncer de mama, de próstata e coisa e tal). E até citada por Luis Vaz de Camões, em Os Lusíadas (“Abre a romã, mostrando a rubicunda cor, com que tu, rubi, teu preço perdes”).

O que quero me reportar é algo supimpa.

Ontem, o Seu Francisco da Chagas, vendedor de frutas, na Praça do Ferreira, a quem eu compro sapotis e romãs, me contou outra virtude da exótica fruta: ela acelera o apetite sexual. Ainda lembrou a lenda do rei Salomão: o monarca bebia todo santo dia três copos de vinho de romã e por isso tinha força suficiente para fazer muito felizes, na cama, as suas 700 esposas e mais 300 concubinas.

Realmente é um marco difícil de ser alcançado, esse do rei Salomão. O espetacular do fato é a figura do Seu Chagas, chegando com uma notícia alvissareira sobre um estimulante, capaz de deixar o Viagra mofando nas prateleiras.

Portanto, vamos saborear as sementes angulosas, de coloração rosa ou carmim, da bendita romã!


9 de set de 2010

Quem diria...até o Maguila



Olha aí o Maguila querendo tirar uma casquinha em cima do Tiririca.

UTILIDADE PÚBLICA

No meio da calçada

tem uma sucata

Quem trafega pela Avenida Santos Dumont pode constatar que há mais de dois anos tem uma carcaça de automóvel na calçada, entre a rua Waldetário Mota e o viaduto. O carro foi abandonado no local e até hoje a Divisão de Operação e Fiscalização (DIOFI) da AMC, não tomou nenhuma providência. Agora, para multar os agentes, os azulzinhos externos, são espertíssimos e atentos.

Tomei uma providência: telefonei para o PABX da AMC (34339700). Aí começou a minha odisséia: primeiro, tive que aguentar uma musiquinha chata até a telefonista atender a ligação. Em vez de transferir a ligação, a atendente preferiu informar o telefone da DIOF (34867400). Lá fui ligar para o referido número... sempre ocupado. Finalmente um servidor atendeu, mas quando comecei o meu relata, o moço não quis mais conversa, e resumiu o papo, dizendo que todas denúncias e reclamações, no âmbito da Prefeitura de Fortaleza, têm que ser realizadas por meio da central de reclamações (08002850880).Tudo bem, que eu queria denunciar, mas ao mesmo tempo me informar sobre a legislação municipal sobre casos de veículos abandonadas na rua.

Liguei para o 0800, e finalmente (UFA!!) fiz a denúncia, com registro da minha identidade, inclusive endereço e protocolo. A telefonista falou que vai enviar para a AMC e no prazo de dez dias, eu poderia ligar para a AMC e saber se as providências foram tomadas, no caso da carcaça do veículo.

Agora é continuar de olho vivo na sucata e no serviço da AMC.

Passando o tempo...


...com essa gracinha cantando Hey Jude, dos Beatles.

8 de set de 2010

Fotógrafo do flagrante pede

demissão do Jornal do Brasil

O desaparecimento, recente do Jornal do Brasil, versão impressa, do jornalismo brasileiro, provocou tristeza em gerações que tinham no JB seu referencial de leitura (para os leitores) e de exemplo do fazer jornalismo para aqueles que militam na profissão. Eu, por acaso. Aos domingos, pela manhã, religiosamente, ia até à praça do Ferreira para comprar a edição do JB, na banca do Bodinho.

Coluna do Artur Xéxeu, do Carlos Castelo Branco, os Informes JB, as crônicas do Armando Nogueira, as charges do Ique...

As fotos do Evandro Teixeira, o fotógrafo do flagrante. O profissional, hoje com 73 anos de idade, depois de 47 anos de JB, pediu demissão, pois não aguentou a angústia e o sofrimento, vendo o jornal que já foi um dos maiores do país se esfarelando, sufocado em dívidas.

Vejam alguns registros históricos do Evandro:


Evandro foi o único que fotografou o corpo do poeta Pablo Neruda, ainda no Hospital Santa Maria, no Chile

Policiais atacam manifestante contra a ditadura, em 1968, no Rio de Janeiro

O presidente João Goulart, no comício da Central do Brasil, pouco antes do golpe militar

Drummond na intimidade


7 de set de 2010

Besta Quadrada


Enquanto isso, no programa Fala Ceará (TV Cidade, afiliada à Rede Record), os apresentadores batem cabeças…


O ex refúgio de
uma solitária


Todos dias passo às margens da lagoa do Papicu, aqui pertinho do meu ap, e me delicio, embora preocupado com a insegurança que ali campeia, com a paisagem daquele pedaço da Natureza. E certa vez, escrevi sobre uma de suas frequentadoras habituais, uma garça. O detalhe: diferente de outras similares da sua espécie, essa vivia só, curtindo sua solidão.

Ontem, vi algo bem diferente: a “casa” cheia de outras garças, no panorama aquático. Não sei como descobrir se foi aquela, personagem da minha crônica, que arrebanhou o grupo. Só prometo que não comento mais sobre refúgio de uma solitária.

Foto antiga


6 de set de 2010

LUZES DA CIDADE

Tem coisas na vida que só acontecem uma vez, naquele momento, como captar um feixe luminoso num átimo de segundos. E a pessoa deve está no lugar e na hora certa. Foi o que aconteceu comigo, hoje, em plena Praça José de Alencar, quando fotografei uma cena inusitada e até surrealística: uma posição nada convencional de um manequim.

Bombou na web

na semana

A cena é tradicional: os filhos sentados comportadamente à mesa, cantando Happy birthday to you. A caçula, que está completando três anos, com olhar fixo para a mãe. Ela caminha lentamente, carregando um delicioso bolo de aniversário. Quanto mais a mãe se aproxima, mais sua cara transparece expectativa. O pai, em pé, filma tudo com cuidado. Cuidado que a mãe não teve ao dar seu último passo antes de entregar o bolo a sua filha.

Nossos sentimentos à pequena aniversariante, de choro tão doído.

As cenas inverossímeis de um filme de ação indiano bombaram bo You Tube. Numa das sequências, um dos protagonistas destrói um helicóptero ao jogar um carro em sua direção. Em outra cena, o herói salva a mocinha lançando um facão, que corta o braço do vilão. O filme chama-se Magadheera e o trecho foi visto mais de 300 mil vezes.

Um jogador de futebol grego foi expulso do jogo. Em vez de sair de campo, voltou até o jogador caído e chutou-lhe covardemente, a cabeça. O agressor acabou contido por todos em campo, inclusive pelos atletas de sua própria equipe.

Fonte: revista Época

5 de set de 2010

Charge - Néo
Ciência explica gol de Roberto Carlos

Um estudo feito por físicos franceses tentou desvendar o "mistério" de um dos gols mais incríveis da história do futebol.Em 1997, Roberto Carlos acertou um chute com enorme efeito e surpreendeu o goleiro Barthez no empate por 1 a 1 do Brasil com a seleção local, pelo Torneio da França. A pesquisa foi publicada na revista científica New Journal of Physics.
Vejam a explicação do cientista:


Breve nos cinemas

Ademar Casé, avô de Regina Casé, foi um pernambucano revolucionário que, de vendedor de rádios, transformou-se no principal comunicador brasileiro dos anos 1930 e 1940. Pioneiro do microfone, criou o primeiro programa comercial do Brasil. Foi o primeiro também a pagar cachê aos artistas, a fazer um contrato de exclusividade e a criar um jingle.

Essa é a figura que o documentário Programa Casé - O Que a Gente Não Inventa, Não Existe resgata para contar a história do rádio e da TV, além de mostrar a importância desses veículos para a música popular brasileira. De suas mãos saíram nomes como João Petra de Barros, Custódio Mesquita e Noel Rosa. Casé era amigo de Carmem Miranda, sócio de Francisco Alves e patrão do cantor e radialista Almirante.

Além de resgatar depoimentos do próprio, o documentário reúne ainda declarações de Silvio Caldas, Nássara e Carmélia Alves, além das últimas entrevistas concedidas por Dorival Caymmi e Braguinha, que canta uma música inédita.