19 de mar de 2011

Se não fosse o Brasil,
 Barack Obama
não teria nascido”


















Segundo Fernando Jorge existiam semelhanças físicas entre o ator brasileiro, Breno Mello, do filme Orfeu Negro e o queniano Barack Hussein Obama, pai do presidente dos Estados Unidos
















Uma das entrevistas mais explosivas que já fiz para a Singular, foi com o escritor e jornalista Fernando Jorge. Publicada na edição de abril de 2009 ele detonou os acadêmicos imortais, os políticos, jornalistas... foi um arraso. Naquela ocasião o polêmico escritor também falava, pela primeira vez, sobre o livro que estava escrevendo sobre as origens do presidente norte-americano Barack Obama, indo até mais longe nas suas conjecturas e afirmando que “provarei que sem o Brasil, o Barack Obama não teria nascido”. E quando o livro foi publicado, meses depois, ele mando-me um exemplar com uma carinhosa dedicatória.
A tese de Fernando Jorge está amparada no fato da mãe de Obama, ainda solteira, ter assistido ao filme Orfeu Negro, dirigido pelo francês Marcel Camus, numa adaptação da peça Orfeu da Conceição, de Vinícius de Moraes. No mesmo ano do lançamento do filme, em 1959, uma jovem americana de dezesseis anos, branca, chamada Stanley Ann Dunham, resolveu assistir, em Chicago, pela primeira vez na vida, um filme estrangeiro. E foi ver Orfeu Negro, realizado só com atores negros, paisagens, música e história brasileiras. Ela adorou aqueles negros encantadores de um país tropical.
Depois, aos 18 anos, ela embarcou para o Havaí, e lá se tornou colega, numa aula de russo, de um jovem negro de 23 anos de idade, Barack Hussein Obama. Segundo Fernando Jorge, a moça branca do Kansas, influenciada pelo filme Orfeu Negro, entregou-se a ele e dessa união nasceu, no dia quatro de agosto de 1961, um menino, a quem ela deu o mesmo nome do pai. Em suas pesquisas Fernando descobriu um detalhe perturbador: a semelhança entre o ator brasileiro, Breno Mello, do filme Orfeu Negro e o queniano Barack Hussein Obama.
No começo da década de 1980, ao visitar o seu filho, em Nova York, a senhora Stanley o convidou para ver o filme Orfeu Negro. Segundo depoimento do próprio Barack, no meio do filme, ele se sentiu entediado e quis ir embora. Disposto a fazer isso, desistiu do seu propósito, no momento em que olhou para o rosto da mãe, iluminado pela tela. A fisionomia da senhora Stanley mostrava deslumbramento.
Afirma Fernando que “então o filho entendeu, como se deduz da autobiografia, porque ela, tão branca, tão anglo-saxônica, uniu-se ao seu pai, tão negro, tão africano”.
E conclui o autor: “Se não fosse o fascínio da branca mãe de Barack Obama pelo filme Orfeu Negro, ela não se entregaria ao rapaz queniano, um preto retinto”.

Vejam cenas do filme Orfeu Negro



Charge: Amarildo

18 de mar de 2011

O  blog do milhão
Correio Braziliense

Leon Prado é o nome por trás do evento “Queremos ser Maria Bethânia”, que está previsto para acontecer na próxima sexta-feira às 17h em frente ao Ministério da Cultura, em Brasília. “Vi um monte de gente reclamando e pensei ‘se é pra reclamar, vamos reclamar direito’”, afirma. 267 pessoas já estão confirmadas para o protesto e o número de convites pendentes supera os 3 mil.
A crítica dos internautas é sobre o orçamento de R$ 1,3 milhões que o Ministério da Cultura liberou para que a equipe de Andrucha Waddington captasse. A ideia é que Waddington dirija 365 vídeos de dois minutos, que mostrem Maria Bethânia recitando poesias famosas em um blog, com um post por dia.
O evento “Queremos ser Maria Bethânia” já mobilizou vários internautas, que prometeram levar instrumentos e carros de som. “Vamos chegar fantasiados de Maria Bethânia porque todo mundo quer ser Maria Bethânia, né?” afirma Leon, que também administra um blog de poesia.
Mas esta não é a única crítica que ele faz ao projeto. “Se eu tivesse esses R$ 1,3 milhão para fazer um blog, iria investir numa pesquisa de novos poetas em vez de divulgar poemas já famosos que às vezes eles não pagam nem direito autoral pra pegar”, diz.
Embora o evento já seja fenômeno no Facebook, Prado não sabe o que esperar do resultado. “Não faço a menor ideia de como vai ser. Pode ir um monte de gente, pode não ir ninguém. Só indo lá pra saber”, diz.



CHUÁ-CHUÁ
(Kibe Loco)
Blog de Maria Bethânia custará ao governo R$ 1,3 milhão‎

Também pudera! Só de Photoshop será 1,2 milhão

Passando o tempo com o folgado Maru
Diante da tragédia que se abateu sobre o povo japonês, a presença do gatinho Maru é uma descontração e um  dos maiores sucessos no YouTube, visto quase 90 milhões de vezes. Maru é uma celebridade japonesa que gosta de pular em caixas. Seus donos estão vivos e bem.


CINE SINGULAR – O curta do dia
The MASP Movie -
 O Filme do MASP 
Sinopse
  O dia em que o MASP, enfurecido com um grupo de turistas, cria vida e sai para um catastrófico passeio pela cidade.
Gênero: Animação
 Diretores: Hamilton Zini Jr., Salvador Messina e Sylvio Pinheiro
 Ano 1986
 Local de Produção: SP
 Ficha Técnica
 Produção Hamilton Zini Jr. Fotografia Ronaldo Quaggio Roteiro Hamilton Zini Jr. Edição Sarah Yakhni Direção de Arte Sylvio Pinheiro Animação Salvador Messina e Sylvio Pinheiro Trilha original Daniel Brasil   
 Prêmios
Melhor Curta de Animação no Jornada da Bahia 1986
Melhor Curta no Rio Cine 1986
Melhor Curta - Júri Popular no Rio Cine 1986
Prêmio Especial do Júri no Rio Cine 1986
Troféu Macunaíma no Rio Cine 1986  

O rei da noite no surf
Em janeiro último o australiano Mark Visser entrou para a história do surf: foi o primeiro homem a surfar  em Jaws (um paredão de 40 pés que chegam até a 36 metros), no Havaí, na mais completa escuridão. Agora conhecido como “O Cavaleiro da Noite”, o nome de Mark inundou blogs e revistas especializadas em surf mundo afora.
Com a ajuda de três técnicos (entre eles, Anthony Willians, um dos maiores mergulhadores do mundo), Mark passou dois anos se preparando para o desafio, numa rotina digna de astronauta prestes a embarcar para o espaço. Com o céu já escuro, era levado de helicóptero até alto-mar, tendo de achar o caminho de volta sozinho a nadar horas ate chegar à praia. Em outro treinamento, a equipe colocava-o vendado e de cabeça para baixo em uma caverna submarina e Mark conseguiu ficar até 6 min sem respirar debaixo d’água.
Vejam o impressionante desafio de Mark Visser:



17 de mar de 2011

De Zé Carioca ao arara-azul Blu

Quando vi o trailer do filme de animação Rio, do carioca Carlos Saldanha (considerado um dos maiores nomes desse gênero de cinema) me veio à mente um outro desenho, antigo, produzido por Walt Disney quando criou o personagem Zé Carioca, lá pela década de 40 do século passado.  Naquela época, Walt Disney participava da caravana de artistas norte-americanos, denominada de  "Good Neighbor Policy" ou Política da Boa Vizinhança, que viajava pela América Latina para reunir aliados durante a Segunda Guerra Mundial (1939/1945). E Disney fez o filme Aquarela do Brasil. Detalhe: na visão dele o Brasil era como se fosse um colônia, representado pelo servilismo de Zé Carioca diante do Pato Donald. Reparem o Zé Carioca falando em Inglês. Aconteciam ali as primeiras investidas dos ianques em impor sua língua, seus costumes, sua cultura aos brasileiros. Era o marco inicial da dominação e deu no que deu.
Vejam o video abaixo.


Já o  filme de Saldanha é diferente. O cineasta homenageia sua cidade natal  e tem como personagem principal Blu, um macho de arara-azul que capturado na floresta carioca na infância, cresce no interior americano, onde nem mesmo aprende a voar. Lição que, junto com várias outras aprenderá a voltar ao Rio, já adulto.  O cenário em que a história se passa é semelhante ao Rio de Janeiro de verdade, mas foi todo construído nos computadores dos estúdios de Blue Sky, pertencente a Saldanha, e instalados em Nova  York.  O filme estreia brevemente. 

16 de mar de 2011

Passando o tempo com a mãe tentando assoar o nariz, mas o guri fica apavorado e (ele) não consegue parar de rir. Realmente, um número..

Confronto: Conheça fórmula
de sucesso de Tim Maia

Tim Maia surgiu no cenário nacional no final dos anos 50. No entanto, foi no fim dos anos 70, com álbum “Tim Maia”, que o músico mostrou para o Brasil sua fórmula de sucesso, uma mistura de soul e música popular brasileira. O cantor morreu no dia 15 de março de 1998, depois de se sentir mal em show no Teatro Municipal de Niterói. Confira os detalhes da vida de Tim Maia em mais um Confronto Jovem Pan. A produção de Paula Carvalho e Aloísio Mathias, narração de Franco Neto e edição de Celso Rorato. (UOL)


Rumo à Copa do Mundo
Realmente, as autoridades não levem a sério o futebol brasileiro. Por aqui, foi adiada, mais uma vez a reinauguração do Estádio Presidente  Vargas, pois, além de faltar muitas obras  para a conclusão do serviço, os laudos de segurança sequer foram apreciados pelos órgãos estaduais do setor.  E antes daquela praça de ser esportes ser entregue ao público muitos defeitos já foram detectados. Enquanto isso, vejam o descalabro acontecido no Rio de Janeiro, numa partida disputada pelo campeonato oficial da 2ª Divisão. O campo completamente alagado, mais parecendo uma piscina.  Imagine, isso acontecendo no país que vai sediar a próxima Copa do Mundo.
Como dizia o Boris Casoy (antes daquela desfeita que ele fez com os garis):Isso é uma vergonha! 

14 de mar de 2011

Filme pornô da Xuxa
Libera ou não libera?


Amor Estranho Amor, lançado em 1982 e fora do mercado há duas décadas, torna a assombrar Xuxa. A apresentadora tem horror à ideia de que o filme volte a ser exibido. Nele, além da nudez, há uma cena de sexo entre a então jovem Xuxa e um adolescente. Sem alarde, desde o fim do ano passado tramita na Justiça do Rio de Janeiro uma ação do produtor Anibal Massaini requerendo os direitos de exibição do filme de volta. Ele quer relançá-lo. Massaini alega que Xuxa não honrou o depósito anual de 60 000 dólares nem formalizou na data devida o interesse na renovação do contrato que cedeu os direitos do filme à apresentadora. Por isso, na visão de Massaini, o acordo estaria extinto. Xuxa já entrou com um recurso para que Amor Estranho Amor continue cheio de poeira nas prateleiras.
(Deu na Veja desta semana)
Drama japonês

A sensibilidade do chargista Néo 
Plágio ou como diz
o outro: é só uma
mera coincidência? 
A música Rap das Armas, tema do filme  Tropa de Elite 2, sucesso de bilheteria, já está trazendo problemas para os seus autores, os irmãos MC Júnior e Leonardo que compuseram a canção em 1992 e gravaram três anos depois. O problema é que a base musical é a mesma da canção Your Love, gravada anos antes  e fez muito sucesso aqui no Brasil, nos anos 80, do século passado, na interpretação do Grupo britânico The Outfield. Os autores da melodia original já cobraram dos brasileiros e eles até já deixaram de autorizar  a execução do Rap das Armas em shows de outros artistas temendo mais problemas.
Vejam montagem sobre as duas músicas se intercalando e tirem suas conclusões:

13 de mar de 2011

Bombou na web nesta semana
A banda colorida Restart, baluarte da fofura no rock brasileiro, se envolveu em polêmica na semana passada por uma declaração desastrada de Thomas, o baterista. Em entrevista a um canal de TV, ele afirmou que gostaria muito de tocar no Estado do Amazonas, por ser “no meio do mato”: “Não sei nem se tem gente, civilização”, disse. O vídeo se espalhou pelas redes sociais e o termo #ManausOdeiaThomasRestart, atribuído a fãs da banda na capital amazonense, foi um dos mais repetidos do Twitter. Thomas usou a própria ferramenta para se defender, mas acabou reforçando seu preconceito: “Eu adoro lugar tranquilo! Ainda mais lá, que só deve ter natureza! Cachoeiras e tudo mais!”


As surfistas profissionais Coco Ho, Alana Blanchard e Laura Enever aproveitaram um descanso na etapa australiana do campeonato mundial da categoria para dançar na frente da câmera de um computador. O vídeo com as belas esportistas bronzeadas rebolando ao som de “Who’s that chick”, de Rihanna, virou sucesso instantâneo – e óbvio, diga-se.


 Outro campeão de audiência foi um vídeo intitulado Sex tape, estrelado pela atriz Jennifer Aniston. Nada de sexo. Trata-se de uma propaganda de água mineral, e a atriz aparece com uma turma de três nerds na missão de produzir um vídeo viral na internet. Conseguiu. O vídeo teve mais de 3 milhões de acessos.



 Em uma sessão de fotos, a modelo israelense Orit Fox estava com uma cobra nas mãos. Para fazer graça, tentou beijar o animal. Em um bote rápido, a cobra mordeu um dos seios siliconados da modelo. Fox pulou para trás apavorada e o bicho foi retirado por um assistente. O vídeo ultrapassou as 100 mil visitas.



 As equipes Havant & Waterlooville e Dorchester jogavam pela sexta divisão do campeonato inglês de futebol quando um torcedor nu entrou em campo. O rapaz corre o campo e dribla seguranças, até que um dos jogadores o derruba. Surpreendentemente, o árbitro expulsa o atleta de campo, alegando violência excessiva. O vídeo teve mais de 600 mil acessos.


Fonte:Coluna Bombou na web