18 de fev de 2011


 Meu amigo Zé
Hoje, à noite, vou abraçar o meu queridíssimo amigo, o artista plástico Zé Tarcísio que estará cercado por muitos amigos celebrando os seus 70 anos. A festa vai ser no Sobrado Dr. José Lourenço, no Centro da Cidade. O encontro foi batizado de o “O Baile do ZéTenta”, e a organizadora da festa, Dodora Guimarães, promete muitas surpresas, numa merecida homenagem ao Zé, pelo muito representa para a cultura cearense.  

17 de fev de 2011

O menino, o Waldick e o cachorro



E a turma de gozadores da net não perdeu tempo com o vídeo do atrapalhado repórter da Globo, Márcio Canuto, entrevistando um garoto que emv fez de dinossoauro, dito pelo repórter, entendeu foi "cachorro" e a ainda completou: "Eu não sou cachorro, não", tal e qual como diz Waldick Soriano, no seu clássico de título idêntico ao que disse o esperto garoto.
Revejam o vídeo com a saia justa do Márcio Canuto:





O slogan de Dilma
O slogan adotado pela presidente Dilma — “País rico é um país sem pobreza” — gerou críticas no meio publicitário. É gente que acha o texto meio óbvio.
Veja a gozação que o publicitário Cillas Amaral, de Brasília, colocou no Facebook, ao sugerir slogans semelhantes: “País alegre é um país sem tristeza”; “País limpo é um país sem sujeira”; e “País organizado é um país sem desorganização. (Do blog do Ancelmo Goes)

16 de fev de 2011



CINE SINGULAR  - Curta do dia
Hotel do Coração Partido
Sinopse
 Ronaldo era especial. Seu coração era evidentemente maior que os corações normais...
 Gênero; Animação
 Diretor: Raoni Assis
 Ano: 2006
 Local de Produção: PE
 Ficha Técnica
 Produção: Nieger
 Roteiro :Raoni Assis   
  Prêmio
 Melhor Animação em Vídeo no Curta-se - Festival Luso-Brasileiro de Curtas Metragens de Sergipe 2007   
  Festival
Curta Cinema - Festival Internacional de Curtas do Rio de Janeiro 2007

Começou mal o baixinho: primeiro foi jogar fut-volei,quando era para estar em Brasília. E Agora, é flagrado com uma cara de ressaca danada.
Saiu no Kibeloco
Detalhes de grandes
mestres a olho nu


Quando da minha vida de estudante secundário um dos meus passatempos preferidos era passar horas e horas na biblioteca da Casa de Cultura Raimundo Cela, pesquisando sobre as obras de pintores consagrados na arte universal. E eu tinha preferência especial pelos pintores impressionistas que mudaram a maneira de pintar, lá pelo século XIX, incluindo a luz nos óleos sobre tela. Admirava as reproduções de Van Gogh Toulusse Lautrec, Paul Gaguin etc...era um passeio pelos acervos dos  museus mais importantes do mundo.
Há duas semanas que a minha curiosidade pelos mestres da pintura ficou ainda mais aguçada, tudo por conta da criação do site Google Art Project, ferramenta da rede que é possível ver mais de 1.000 obras de 17 grandes museus, como o MoMA e o Metropolitan, em Nova York. 
Close nas pinceladas turvas de Van Gogh

Detalhe da obra "O Nascimento de Vênus", de Sandro Botticelli, que pode agora ser vista em detalhes impressionantes 
O mais extraordinário nessa recém-lançada galeria virtual e que o internauta poder explorar detalhes de obras-primas que seriam impossível de ver a olho nu, e passeando pelas salas, vendo maravilhosos trabalhos, só clicando no mouse. Fantástico.  

13 de fev de 2011


CINE SINGULAR – Curta do dia
Som da Rua - Irmãos Aniceto  
Sinopse
A origem da banda remonta ao patriarca José Lourenço da Silva, já falecido, cujo apelido era Aniceto. Os três filhos herdaram o apelido. João José da Silva é o Maestro do grupo e toca zabumba; Raimundo toca pífano, e é quem constrói os instrumentos da banda; e Antônio José Lourenço da Silva toca pífano. Integram ainda os Irmãos Aniceto: Benedito Gomes de Souza que toca caixa de guerra e Cícero que toca prato. Hoje em dia a banda apresenta-se apenas quando é convidada. Isso acontece com freqüência em sua própria cidade, Crato (CE). Já tocaram em Roraima, no Rio de Janeiro, em São Paulo e no Recife.
Gênero :Documentário
 Diretor: Roberto Berliner
 Ano: 1997
 Local de Produção: RJ
 Ficha Técnica
 Co-produção: TvZero e TVE Brasil
Edição: Piu Gomes
 Direção de Arte: Raul Mourão
 Som Paulo :Ricardo Nunes
 Direção de produção: Rodrigo Lamounier
Assistente de Direção :Andrea Roscoe
Produção Executiva: Renato Pereira
 Direção de Fotografia: Jacques Cheuiche
 Colaboradores  Especiais: Paola Vieira, Danielle Hoover, Noaldo Ney e Lula Queiroga  
  Prêmios
 Sol de Prata no Rio Cine 1997
Menção Especial do Juri no Mostra Internacional do Filme Etnográfico/RJ 1998

Bombou na web
nesta semana
Em 2009, a cantora Vanusa confundiu a letra do Hino Nacional durante cerimônia na Assembleia Legislativa de São Paulo e tornou-se uma das piadas do ano. Na semana passada, outra artista elevou a gafe a patamares mundiais. Christina Aguilera, estrela pop americana, errou o hino dos Estados Unidos durante o Super Bowl, a final do campeonato nacional de futebol americano. É o evento esportivo mais visto do país, transmitido para o mundo inteiro. Ela repetiu a frase “What so proudly we hailed” (“O que nós tão orgulhosamente saudamos”) no lugar de outra que esqueceu. Versões do vídeo de sua gafe tiveram 5 milhões de acessos em dois dias.
  




 Um americano levou o sobrinho para a frente das câmeras e aplicou nele uma surra de cinto. O motivo, segundo ele explica no vídeo, seriam mensagens do sobrinho no Facebook exaltando suas próprias ligações com gangues locais. Terminado o espancamento, ele ironiza: “Agora, poste isso no seu mural”. 



 O grupo americano de artes performáticas Improv Everywere lançou uma espécie de “pegadinha” coletiva numa pista de patinação. Primeiro, um patinador gordinho (único profissional da performance) tenta se equilibrar, desengonçado. Muitos riem de sua falta de jeito. Então começa a música, e o gorducho se põe a dançar com enorme graça. Teve 1 milhão de acessos.

  
 A câmera de segurança de uma loja mostra um dedicado empregado colocando garrafas de vinho na prateleira. De repente, como a estrutura não aguenta, tudo desaba em cima dele. Dezenas de litros de vinho correm pelo chão. Foram 400 mil acessos.

 Uma dupla de artistas da Nova Zelândia chamada Lightning for Hire (Alugam-se Raios, em tradução literal) sobe ao palco com roupas especiais de metal e se apresenta em plataformas especiais que dão grandes descargas elétricas. Parece suicídio, mas é física. A roupa de metal faz com que a eletricidade corra sem contato com o corpo dos dois e proporciona um impressionante espetáculo de luzes.

Fonte: revista Época